16
Dom, Dez

Uma em cada três pessoas sofre de insônia em algum momento da vida, e a maioria tem problemas menores para dormir de vez em quando. A dificuldade para adormecer ou para manter o sono – ou ambas – se deve a vários fatores, que incluem estresse, preocupações e alimentos ingeridos, item que é motivo para várias questões:

Por que algumas bebidas e comidas te dão sono enquanto outros te despertam? É verdade que comer peso dá pesadelos? Ou que leite morno ajuda a dormir?

Separamos os fatos da ficção para ver se algumas mudanças na dieta podem levar a boas noites de sono.

Carboidratos x proteínas
O que devemos consumir para dormir bem: carboidratos ou proteínas? A resposta, aparentemente, é: ambos.

A chave é algo que se chama triptófano, um aminoácido que é o precursor de serotonina e da melatonina, os químicos indutores de sono no cérebro.

O triptófano está presente em pequenas quantidades em quase todos os alimentos proteicos e em quantidades mais altas em iogurte, leite, aveia, banana, tâmaras, frango, ovo e milho.

Para que o triptófano tenha efeito, é preciso cruzar a barreira de sangue do cérebro (seu sistema de segurança). Para conseguir isso, ele tem de competir com outros aminoácidos.

Segundo alguns estudos, combinar alimentos ricos em triptófano com carboidratos dá uma vantagem a esse aminoácido.

Os carboidratos estimulam a liberação de insulina, que ajuda a tirar outros aminoácidos do fluxo sanguíneo, dando mais chances ao triptófano de chegar ao cérebro.

Ainda é preciso investigar mais, e é importante levar em conta que a quantidade de triptófano nos alimentos é relativamente pequena e que, por isso, talvez isso tenha um efeito modesto.

 

A verdade sobre as bebidas do sono

Chá de ervas
O chá de camomila é conhecido como um bom remédio para problemas de dormir. Pesquisas apontam que ele aumenta o nível de glicina, um relaxante muscular, no corpo.

Chá de camomila tem o poder de acalmar
Chá de camomila tem o poder de acalmar

O de valeriana, por sua vez, costumava ser receitado contra a insônia na Roma antiga. A crença era de que a bebida reduzia o tempo levado para dormir e melhorava a qualidade do sono. A passiflora também demonstrou sua capacidade de melhorá-lo.

Acredita-se que ambas aumentam os níveis de ácido gama-aminobutírico (GABA) no cérebro, uma substância que ajuda a regular as células nervosas e diminui a ansiedade.

Leite morno
O leite contém melatonina, um hormônio que ajuda a criar o desejo de permanecer dormindo, mas ainda não foi confirmado que tenha um impacto significativo sobre os níveis de melatonina do corpo.

A bebida também contêm triptófano, como mencionamos antes.

Se você acrescentar leite morno a seu cereal, vai receber os benefícios deste indutor de sono, pois terá uma mistura de proteínas e carboidratos que os levarão mais rapidamente ao cérebro.

Chocolate quente
O chocolate quente é uma bebida reconfortante que, em alguns lugares, é tomado tradicionalmente antes de dormir.

Mas ele contém cafeína, que é um estimulante, ainda que as quantidades variem dependendo da marca.

Chocolate quente pode esquentar e ser reconfortante, mas a cafeína pode espantar o sono
Reprodução
Chocolate quente pode esquentar e ser reconfortante, mas a cafeína pode espantar o sono

Se você têm dificuldades para se manter dormindo, considere substituir o chocolate por um dos chás mencionados acima ou uma bebida com malte.

Água
Se você não consegue dormir bem durante a noite inteira porque acorda com sede ou vontade de ir ao banheiro, assegure-se de beber líquidos suficientes durante o dia para se manter hidratado durante toda a noite.

A Autoridade de Segurança Alimentícia Europeia aconselha que as mulheres tomem 1,6 litros por dia e os homens, 2 litros.

A última taça
Uma tacinha de algum licor de vez em quando não fará muito mal à sua saúde, mas isso não pode virar um hábito, pois pode provocar problemas sérios – que incluem insônia.

O álcool nos ajuda a continuar dormindo, mas faz com que passemos menos tempo na etapa do sono de movimentos oculares rápidos (MOR), que é a mais satisfatória, e que despertemos durante a noite.

Quando você deve comer?

Ajuste seu relógio interno
Pesquisas recentes mostram que o momento do dia em que você come pode afetar seu sono. Todos temos um relógio interno que monitora a hora do dia e, pelo que tudo indica, um "relógio alimentício" que monitora horas das refeições.

Um estudo indica que, quando um rato come em horários irregulares, o relógio de seu corpo se desajusta.

Quando a quantidade de comida é limitada, o relógio alimentício anula o do corpo, mantendo o rato acordado até que localize algum alimento.

Os estudos com ratos não são necessariamente indicativos do que acontece com humanos, mas é interessante notar que os padrões de alimentação podem afetar seu sono.

Tenha rotina
Dormir é uma rotina, logo ter padrões regulares de alimentação fará com que seja mais fácil descansar durante a noite.

É uma boa ideia jantar quatro horas antes de se deitar e estabelecer um ritual de tomar chá de ervas antes de ir dormir.

Você é uma pessoa do dia ou da noite?
Pesquisas indicam que ser uma pessoa madrugadora ou noturna é determinado por seu cronotipo.

As horas do dia em que você come variam de acordo com seu cronotipo: os madrugadores quase sempre tomam café da manhã antes de meia hora depois de acordar, enquanto as pessoas noturnas tendem a pular o café da manhã e comer tarde à noite.

 

Que comidas e bebidas roubam nosso sono?

Queijo
A ideia de que o queijo dá pesadelos acompanha algumas culturas desde pelo menos o século 17. Mas isso faz sentido? Já foi dito que a grande quantidade de tiramina que há no alimento poderia estar vinculada aos sonhos.

Queijo causa sonhos ou pesadelos?
Getty Images
Queijo causa sonhos ou pesadelos?

A tiramina afeta a liberação de noradrenalina, produzida na região do cérebro responsável pelo sono MOR – que está relacionada aos sonhos.

Mas muitos outros alimentos contém níveis semelhantes de tiramina e não são vistos como tiranos. Por isso, parece não haver ligação direta entre comer queijo e ter pesadelos.

Café
A cafeína pode interferir no processo de dormir ou evitar que durmamos profundamente.

Todos temos níveis diferentes de tolerância à cafeína, mas se você está sentindo dificuldade para dormir, evite tomar café à noite e talvez até de tarde.

Pesquisas recentes indicam que o café também pode ter impacto no sono ao desacelerar seu relógio biológico.

Um estudo mostrou que tomar um expresso duplo três horas antes de deitar atrasou a produção de melatonina em cerca de 40 minutos.

Açúcar
Um estudo recente indica que uma dieta rica em açúcar não é boa para dormir. Na pesquisa, o açúcar fez com que participantes acordassem durante a noite.

Açúcar pode atrapalhar o sono
Arquivo
Açúcar pode atrapalhar o sono

Há poucos estudos sobre os efeitos do açúcar na qualidade do sono, mas, se você consome muitos alimentos ou bebidas açucaradas antes de dormir, provavelmente experimentará uma entrada de energia que não é ideal para esse momento.

Álcool
Após uma noite de bebedeira, provavelmente será mais fácil dormir. A má notícia é que o álcool perturba os padrões e ciclos que ocorrem enquanto dormimos.

Ao longo de uma boa noite de sono, a pessoa normalmente tem entre seis e sete ciclos MOR. Após uma noite de bebidas, porém, terá somente uma ou duas.

Álcool faz dormir, mas piora a qualidade do sono

Pimenta
Acredita-se que comida apimentada provoque indigestão e aumente a temperatura de seu corpo, e a combinação de ambas prejudicam o sono.

Uma pesquisa indica que uma queda na temperatura corporal dispara a sensação de que é hora de ir para a cama. No estudo, os participantes que colocaram molhos picantes na comida demoraram mais para adormecer e dormiram menos que o normal.

Percebeu-se que, nas noites em que eles comeram condimentos, sua temperatura corporal esteve elevada durante o primeiro ciclo de sono.

Curiosamente, banhos quentes podem ajudar a dormir, pois a temperatura de seu corpo cai rapidamente depois deles.

 

Pode parecer estranho, mas uma pesquisa recente sugere que prestar atenção aos sons que fazemos quando mastigamos pode interferir na quantidade de alimento que ingerimos.

Pesquisadores da Universidade Brigham Young e da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, fizeram um estudo para analisar esse efeito.

Eles concluíram que quanto mais nos "entretemos" com os barulhos que fazemos ao mastigar, menos comemos.

Quando vamos ao cinema, por exemplo, e compramos uma pipoca, em geral devoramos o pacote em poucos minutos.

Nosso cérebro está "distraído" com o filme e isso faz com que comamos tudo sem perceber.

O mesmo costuma acontecer quando se come vendo televisão ou quando se compartilha uma refeição com amigos em uma conversa animada.

"É comum não repararmos no som que emitimos quando estamos comendo, mas prestar atenção nisso pode ajudar a reduzir o consumo dos alimentos", explica Ryan Elder, um dos autores da pesquisa, que foi divulgada pela publicação científica Food Quality and Preference.

Muitas vezes se presta atenção na aparência, no cheiro ou no gosto da comida, mas não muito no som que ela faz quando a mastigamos.

Gina Mohr, também autora do estudo, reforça que os sons são "um sinal sensorial importante" da experiência culinária.

Os pesquisadores chamam de "sons alimentícios" os barulhos que produzimos ao mastigar e triturar a comida que ingerimos.

O problema, segundo Elder e seus colegas, acontece quando outros sons "mascaram" esses ruídos que nos ajudam a ser mais conscientes quanto ao que comemos.

Para averiguar o alcance desse fenômeno, os cientistas fizeram três experimentos analisando o que chamam de "proeminência do som na alimentação".

Um deles mostrou que as pessoas comem menos quando o som da comida é mais intenso.

Leia também: Tim Vickery: Oposição deve se afastar de quem vê comunismo em país que ainda tem elevador social e de serviço

Para investigar essa relação, os pesquisadores deram fones de ouvido aos voluntários para controlar o volume em que escutavam seus ruídos ao mastigar alguns pretzels.

"Descobrimos que quanto mais alto era o som da mastigação, menos os participantes comiam", disse Mohr à BBC.

Segundo Mohr, "escutar o som dos alimentos nos lembra que estamos comendo". "É um indicador natural que estamos participando do processo alimentício e isso nos ajuda a comer mais conscientemente", diz.

Situações sociais
O mesmo acontece na situação inversa. "Quando você mascara o som dos alimentos, como quando vê televisão enquanto come, ignora um dos sentidos. Isso pode fazer com que coma mais do que comeria normalmente", diz Elder.

"Pode ser que os efeitos não pareçam ser tão grandes (os voluntários comiam um pretzel a menos em média ao escutar os sons), mas ao longo de uma semana, um mês ou um ano, eles se acumulam."

"Há situações sociais que nos fazem moderar o volume da mastigação e sermos mais cuidadosos com os ruídos que fazemos para comer", diz. "O importante é prestar atenção a esse ruído, seja ele alto ou baixo.

No tapete vermelho da estreia do filme "Hacksaw Ridge", no Centro Sheen (Nova York), na última quarta-feira (16), o premiado ator e diretor Mel Gibson falou sobre o soldado cristão Desmond Doss, que serviu na Segunda Guerra Mundial, e o incrível exemplo de fé que ele deu, por não negociar seus princípios e até mesmo aceitando "virar a outra face" para aqueles que zombaram dele.

"Hacksaw Ridge" é baseado na extraordinária história real de Doss (interpretado por Andrew Garfield), que serviu em Okinawa durante a mais sangrenta batalha no Pacífico e milagrosamente salvou 75 homens sem disparar um tiro.

Doss serviu como soldado do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial, mas se recusou a carregar uma arma em combate por causa de suas crenças pessoais como um Adventista do Sétimo Dia. Consequentemente, pensou que seria mais apropriado servir como médico durante a guerra.

"Você não pode deixar de se inspirar quando ouve falar dessa história. Quando eu li o roteiro me senti tocado. É uma história que vale a pena contar. Se você vai passar 18 meses ou dois anos em um projeto, também pode certificar-se de que é uma história vale a pena contar e definitivamente isso que aconteceu", disse Gibson em entrevista ao The Christian Post.

O filme detalha o heroísmo de Doss, um médico do Exército, cuja única arma no campo de batalha durante a guerra era a oração. O soldado cristão teve a chance de salvar a vida de mais de 75 homens, durante um confronto, em Okinawa.

"Só mais um Senhor", orou Doss, enquanto carregava sozinho seus companheiros de infantaria.

"Desmond estava operando em outro reino. Em uma situação onde os homens vão para a guerra e a maioria é reduzida ao nível dos animais, ele conseguiu se manter superior, com seu propósito e pôde explorar sua virtude. Ele se moldou nessa experiência", continuou Gibson. "Ele dizia a si mesmo que não era ele quem fazia isso. Algo maior do que ele estava fazendo. Ele disse que estava orando o tempo todo".

Em "Hacksaw Ridge" há uma cena em que Doss é posto à prova por membros do seu pelotão que o agrediram e tentavam forçá-lo a revidar. Em vez disso, o soldado cristão decidiu seguir o exemplo de Jesus e "dar a outra outra face", algo que Gibson sustenta é muito difícil de fazer.

"É muito difícil. Mesmo quando estávamos filmando aquela cena, Andrew e eu estávamos pensando: 'Cara, se alguém fizesse isso comigo, eu revidaria com um soco na cara'. Mas foi foi muito importante que ele não fizesse isso e que ele fosse melhor do que isso ou acima disso", disse Gibson.

"Ele não se importava com o que as pessoas pensavam dele - e muitos pensavam que ele era algum tipo de covarde ou algo assim, mas ele não era, claramente. Ele foi um dos mais corajosos de todos os tempos. Ele ão negociou suas convicções e eu acho que ser capaz de ir tão longe e não revidar, amaldiçoando as pessoas que nos ferem, é uma grande decisão", acrescentou.

Gibson confessou que dar a outra face é algo que ele tem dificuldade em fazer, mas afirmou que admira Doss por seu grande exemplo de fé e auto-controle.

Quando perguntado sobre o impacto que a história de Doss poderia causar nesta geração, Gibson disse: "Bem, ele viveu tudo isso em um tempo antes do nosso, e desde então já tem havido pessoas incríveis, que fizeram coisas inspiradas por seu exemplo".

"Eu acho que qualquer um pode olhar para uma história como esta e avaliar a si mesmo. Nós somos testados em determinadas circunstâncias e aqui nós temos um homem comum fazendo coisas extraordinárias em circunstâncias incrivelmente difíceis. Se ele pode fazê-lo, por que outras pessoas não conseguiriam o mesmo?", questionou Gibson.

Reconhecimento
Em outubro de 1945, o inspirador soldado recebeu a Medalha de Honra do Congresso, entregue pelo Presidente Harry S. Truman. Antes de ser dispensado do exército em 1946, Doss já tinha desenvolvido a tuberculose.

Ele morreu em 23 de março de 2006, aos 87 anos de idade e foi enterrado no Cemitério Nacional de Chattanooga, no Tennessee.

"Hacksaw Ridge" é o primeiro filme de Gibson, desde o sucesso de "Apocalypto" e "A Paixão de Cristo". Com Andrew Garfield como protagonista, o filme também estrelou Sam Worthington, Luke Bracey, Teresa Palmer, Hugo Weaving, Rachel Griffiths e Vince Vaughn. O roteiro foi escrito por Andrew Knight e Robert Schenkkan.

"Hacksaw Ridge" já foi lançado nos Estados Unidos e tem previsão de estreia no Brasil para 17 de janeiro de 2017.

Para encerrar o ano, o Brasil recebe mais um filme cristão nas telonas. "Para Sempre" estreia no dia 8 de dezembro e será distribuído pela CanZion Filmes. A produção é baseada numa história real sobre a luta de um casal e sua família na batalha contra o câncer. Momentos difíceis onde foi necessário muita fé, esperança e, principalmente, amor, nortearam roteiro, produção e tudo que envolveu o projeto.

A pesquisa sobre a vida de Michael Boyum levou anos para ser concretizada e a preocupação com a autenticidade do filme fez parte do dia-a-dia de todo o elenco, inclusive, do roteirista. "Precisei descobrir de que forma contar essa história à altura das famílias. A primeira vez que ouvi a história deles foi há mais de 18 anos atrás. Fiz muitas gravações, vi todas as fitas e, depois, criei uma linha do tempo. Fui atraído pela fé inabalável de Michael e surpreso em saber o quanto ele confiava em Deus." disse o produtor, roteirista e diretor Michael Linn.

Tudo começou com Bonnie Boyum, a mãe de Michael Boyum, jovem que contraiu a doença. Ela conheceu Michael Linn e, juntos, trabalharam por anos até o início das filmagens. “Eu sonhei com esse filme por 18 anos e trabalhei intensamente com o Linn sabendo que um dia íamos filmar. Linn sempre me dizia: ‘No tempo de Deus, Bonnie’. Então, eu tive que ser paciente e nunca duvidei”, contou ela emocionada.

 

Locações da história real

A realidade não ficou retratada apenas em contar a história central do longa. Vários lugares onde fatos reais aconteceram serviram de locação para as filmagens e proporcionam ainda mais proximidade com a história. O hospital, as casas das famílias de Michael e Michele, o parque onde Michael ensinava karatê e a igreja, cenários reais nas cidades da região metropolitana de Minessota, nos EUA, que podem ser vistos em "Para Sempre".

"Sonhei que via dois homens numa ponte, a noite, na chuva. O sonho tinha efeitos de edição, ou seja, era como se estivesse assistindo um filme. Achei que pudesse usar isso. Então acordei e escrevi. Em outra ocasião, quando estávamos finalizando o roteiro, sem saber do meu sonho, Bonnie me contou que Michael e seu irmão tiveram, de fato, um episódio numa ponte a noite enquanto chovia. Me arrepiei todo e não tive dúvidas em reproduzi-la no filme", contou Linn.

Além das surpresas nas locações, a escolha do elenco também foi surpreendente. Stephen A. Bailey, protagonista da trama, além de ter sido escolhido pelo seu talento, possui semelhança física com Michael Boyum. Mas, não foi somente isso que impressionou, inclusive o próprio ator. "Comecei a estudar o personagem bem antes de começarmos a filmar. Na preparação, conversei com familiares e amigos. Isso foi muito importante. Sobretudo, tentei achar o que de mim havia nele. A maior dificuldade era retratar alguém com uma fé que nunca havia visto antes na vida. Um projeto muito especial que estou honrado em fazer parte." confessou Bailey.

Honesto e profundamente emotivo, "Para Sempre" possui muitos elementos para prender o telespectador do começo ao fim de suas 1h40 de filme. Por isso, fique de olho no cinema de sua cidade. Dia 8 de dezembro estreia em todo Brasil, "Para Sempre", um filme emocionante sobre a força do amor em meio ao temor, a esperança em meio à perda e a realidade da fé em meio à dúvida.

 

 

Mais Artigos...

Página 3 de 4