16
Dom, Dez

Um bebê engoliu uma bala calibre 22. Chorando, a mãe corre à farmácia. "O que devo fazer?" E o farmacêutico responde: "Dê a ele um frasco de óleo de rícino, mas não o aponte para ninguém".

Achar essa piada engraçada depende de mais variáveis do que provavelmente você possa supor. Depende de uma compreensão cultural comum das propriedades técnicas do óleo de rícino. Como muitas piadas e qualquer aluno do quarto ano pode comprovar, depende de sua delicadeza em relação às funções corporais. De forma menos óbvia, o senso de humor também depende da sua idade, gênero, QI, inclinação política, grau de extroversão e da saúde do seu circuito de recompensa de dopamina.

Se você acha toda essa análise pouco engraçada, [o escritor norte-americano] E.B. White estaria com certeza lhe apoiaria. Ele escreveu um dia que desmontar piadas é como dissecar sapos: poucas pessoas se interessam e o paciente sempre morre no final.

Felizmente, o neurocientista cognitivo Scott Weems não tem medo de parecer sem graça. O humor merece um estudo acadêmico sério, ele argumenta em seu livro, "Ha! The Science of When We Laugh and Why" (Há! A ciência de quando rimos e por quê, em tradução livre), porque produz vislumbres de como nosso cérebro processa um mundo complexo e como isso, por sua vez, nos transforma em quem somos.

 

Mais tempo rindo

Embora animais riam, os humanos passam mais tempo rindo do que exibindo qualquer outra emoção. Porém, o que confere a algumas pessoas um senso de humor melhor do que o de outros? Sem surpresa, os extrovertidos costumam rir mais e produzir mais piadas; contudo, em testes que medem a capacidade de escrever legendas de charges, as pessoas mais neuróticas, agressivas, manipuladoras e dogmáticas eram as mais engraçadas. Como diz o velho ditado, os melhores humoristas são tristes.

Talvez, escreve Weems, as pessoas infelizes são "mais propensas do que as outras a falar de forma desajeitada ou não aceitável socialmente para fazer uma boa piada". Ou como pessoas de Aristóteles a Gertrude Stein ressaltaram, a infelicidade pode gerar a criatividade, e as melhores piadas exigem ginástica intelectual e uma observação astuta da natureza humana.

Analisar o humor às vezes exige dissecar piadas. Weems desmonta as piadas da "compreensão" em três componentes básicos: construção (examinar conhecimento relevante, experiência e expectativas), avaliação (descartar nossos erros e expectativas errôneas) e resolução (chegar a uma conclusão satisfatória e muitas vezes surpreendente). Veja como seu cérebro rapidamente faz essas três coisas ao ler o seguinte título merecedor de ser citado pelo apresentador Jay Leno: "Doutor testemunha em julgamento de cavalo".

Para Weems, essas três etapas são as mesmas que usamos para solucionar problemas diários, quer logísticos, interpessoais ou existenciais.

Segundo ele, "interpretar nosso mundo é um evento criativo". Em sua raiz, as piadas têm a ver com conflitos e "detectar erros é a forma pela qual nossos cérebros transformam conflitos em recompensas". Sem essa capacidade, não seríamos capazes de tomar decisões, aprender novos truques ou nos darmos bem com os outros.

 

Homens e mulheres

Existem questões importantes que o livro não aborda. Em particular, a discussão do humor masculino e feminino é interessante, mas insatisfatória. Ao explicar por que os homens costumam fazer mais piadas embora as mulheres tenham uma tendência maior de rir delas, o autor especula que as mulheres encaram as piadas "com uma mente mais aberta". Entretanto, eu suspeito que existam fatores culturais em ação que têm a ver com poder e submissão, além de antigas estratégias evolucionárias de galanteio. Faça-nos rir e seremos suas.

Os homens querem que as mulheres riam, para o constrangimento de feministas como a artista de rua Tatyana Fazlalizadeh (visite seu site "Stop Telling Women to Smile", parem de mandar as mulheres sorrirem, em tradução livre). De forma interessante, as mulheres riem menos conforme envelhecem, mas não os homens.

Ainda assim, Weems faz uma boa defesa de que o humor nos torna melhores e de que todos nós deveríamos rir mais.

 

Como exercício

"Estudos mostram que o humor melhora nossa saúde, nos ajuda a nos dar bem com os outros e até nos torna mais inteligentes", garante o livro. Rir literalmente relaxa os vasos sanguíneos, promovendo uma circulação saudável, de forma similar ao exercício aeróbico.

Curiosamente, no entanto, as pessoas mais engraçadas não vivem mais tempo. Não apenas elas costumam ser mais neuróticas como apresentam maior probabilidade de fumar, a ser mais sedentárias e a ganhar peso.

Mesmo assim, mesmo que não prolongue a vida, o humor a torna mais suportável ao reduzir nossa dor física e emocional.

Em famoso estudo sobre humor conduzido por James Rotton, Universidade Internacional da Flórida, os participantes que assistiam a filmes cômicos após uma cirurgia pediam 25% a menos de analgésicos. Outro estudo mostrou que ver um episódio de "Friends" reduzia três vezes mais a ansiedade do que sentar-se e relaxar. Os participantes do estudo também se saíram melhor em testes cognitivos, tais como problemas de associação de palavras, depois de ler piadas engraçadas e ver vídeos com apresentações humorísticas de Robin Williams.

Para aqueles que estão mais para o Grinch do que para o Groucho, Weems afirma ser possível melhorar o senso de humor, seja por treinamento ou aumentando a exposição a pessoas e mídias engraçadas, em conjunto com muita prática. Para seu crédito, ele até mesmo tentou fazer um show humorístico certa noite em uma boate em Baltimore.

Ele matou o público de rir? Parece que não. Felizmente para nós, ao que tudo indica, ele não largará seu emprego.

As dores lombares são a principal causa de incapacidade no mundo e respondem por um terço dos casos de invalidez provocados pelo trabalho, revelam dois estudos publicados nesta terça-feira (25).

Utilizando estatísticas provenientes de 187 países, pesquisadores americanos e australianos determinaram que a lombalgia afeta 9,4% da população mundial, incluindo crianças.

Estes resultados situam os problemas lombares na primeira posição das patologias em relação aos anos de vida sofrendo uma incapacidade, destacam os autores dos estudos.

As regiões mais afetadas são Europa ocidental, norte da África e Oriente Médio, contra uma menor incidência na América Latina e no Caribe.

O problema aumenta com a idade, um fenômeno que seguramente provocará um forte incremento de pessoas com dores lombares em países menos desenvolvidos nas próximas décadas, adverte um dos estudos, publicado nos Anais de Enfermidades, uma revista ligada ao grupo British Medical Journal (BMJ).
Outro estudo, realizado a partir das mesmas estatísticas, conclui que as lombalgias também estão na origem de um terço dos casos de invalidez provocada pelo trabalho.

Os agricultores e as pessoas com entre 35 e 65 anos formam o maior grupo de risco, na medida que transportam cargas mais pesadas, trabalham em posições "delicadas" ou estão expostos a vibrações.

Precisamente, os agricultores têm quatro vezes maior risco de sofrer problemas lombares que as pessoas que trabalham em outros setores.

As estatísticas utilizadas nos dois relatórios foram divulgadas na edição 2010 da Global Burden of Disease, um estudo apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para avaliar a mortalidade e a degradação da saúde como consequência das diversas doenças.

 

Os exercícios físicos levantam uma questão: quanto é muito pouco, em excesso ou a medida certa para melhorar a saúde e a longevidade? Dois grandes estudos recentes trouxeram alguma luz ao assunto, sugerindo que a dose ideal de exercícios para uma vida mais longa é um pouco mais do que muitos de nós acreditamos, mas menos do que outros esperam. As pesquisas também descobriram que exercícios prolongados ou intensos provavelmente não são prejudiciais e podem somar anos à vida das pessoas.

Não há dúvidas de que qualquer quantidade de exercícios físicos é melhor do que nada. Como os remédios, eles são conhecidos por diminuir o risco de desenvolvermos várias doenças e de morte prematura.

Mas, ao contrário dos remédios, as atividades físicas não vêm com instruções de quantidades. Os parâmetros atuais das organizações de saúde e governamentais falam em 150 minutos de exercícios moderados por semana para manter a saúde e o condicionamento físico.

Mas nunca ficou claro se essa quantidade é o mínimo que as pessoas deveriam fazer ou se a dose ideal.

Os cientistas também não sabem se há um limite máximo, além do qual os efeitos se tornam prejudiciais; e qual a intensidade mais efetiva no que diz respeito à longevidade.

As novas pesquisas, publicadas na semana passada no JAMA Internal Medicine, tentam responder essas questões.

No maior dos dois estudos, os pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer, da Universidade de Harvard e de outras instituições se juntaram e combinaram as informações de hábitos de exercícios de seis longas pesquisas sobre saúde, o que resultou em uma análise de dados de mais de 661 mil adultos, a maioria na meia idade.

Usando essas informações, os pesquisadores escalonaram os adultos pelo tempo semanal de exercícios, daqueles que não faziam nada até os que se exercitavam dez vezes ou mais do que as recomendações atuais (o que significa que faziam atividades físicas moderadamente 25 horas por semana ou mais).

Eles então compararam 14 anos de históricos de morte no grupo. Os pesquisadores descobriram que, como era esperado, as pessoas que nunca se exercitavam tinham maior risco de morrer prematuramente.

Mas aqueles que faziam algum exercício físico, mesmo sem chegar à quantidade recomendada, diminuíram o risco de morte prematura em 20%.

Aqueles que seguiam as recomendações à risca, completando 150 minutos de exercícios moderados por semana, tiveram maiores benefícios relacionados à longevidade: 31 por cento menos risco de morrer durante o período de 14 anos comparados com aqueles que não fizeram nada.

O ponto ideal para os benefícios, no entanto, foi para aqueles que triplicaram a quantidade recomendada, exercitando-se moderadamente, a maioria andando, por 450 minutos por semana, ou um pouco mais do que uma hora por dia. Essas pessoas tiveram um risco 39 por cento menor de morrer prematuramente do que aqueles que não faziam atividades físicas.

A partir daí, os benefícios se mantiveram estáveis, segundo os pesquisadores, mas não declinaram significativamente. Os poucos que faziam 10 vezes mais do que a quantidade recomendada tiveram praticamente a mesma redução no risco de morrer do que aqueles que faziam exatamente a quantidade recomendada. Eles não conseguiram uma melhora significativa na saúde para todas aquelas horas extras que gastaram suando. Mas também não aumentaram o risco de morrer jovens.

O outro estudo lançado recentemente chegou a uma conclusão parecida sobre a intensidade. Enquanto algumas pesquisas insinuaram que exercícios puxados e frequentes poderiam contribuir para a mortalidade precoce, o novo estudo descobriu o contrário.

Pesquisadores australianos examinaram de perto informações de uma pesquisa sobre saúde feita com mais de 200 mil australianos adultos, determinando quanto tempo as pessoas passavam se exercitando e quanto dos exercícios elas qualificavam de vigorosos, como correr ao invés de andar, ou jogar uma partida de tênis individual competitiva ao invés de um jogo de duplas tranquilo.

Então, eles analisaram as estatísticas das mortes. E, como no outro estudo, descobriram que cumprir as recomendações reduzia significativamente o risco de morte prematura, mesmo se o exercício fosse moderado, como andar.

Mas, se a pessoa fazia um exercício vigoroso, ocasional ou não, ganhava uma pequena, mas não insignificante, redução na mortalidade. Aqueles que passavam até 30 por cento do tempo dedicado às atividades físicas se exercitando de maneira vigorosa tiveram nove por cento menos risco de morrer prematuramente do que as pessoas que se exercitavam pelo mesmo tempo, mas sempre moderadamente. Aqueles que passavam mais de 30 por cento do tempo de atividades físicas em exercícios puxados ganharam uma redução extra de 13 por cento na mortalidade precoce, comparados com aqueles que não se esforçaram muito. Os pesquisadores não notaram qualquer aumento da mortalidade, mesmo entre aqueles poucos que faziam uma grande quantidade de exercícios intensos.

Claro que esses estudos se baseiam na lembrança nem sempre muito precisa de hábitos de atividades físicas e não são pesquisas aleatórias, então não podem provar que qualquer dose de exercícios causou mudanças nos riscos de mortalidade, apenas que há uma conexão entre a prática de atividades físicas e os riscos de morte.

Ainda assim, as conexões foram fortes e consistentes e a mensagem parece bastante clara, de acordo com os pesquisadores.

Qualquer pessoa que pode fazer atividades físicas deveria tentar "chegar a pelo menos 150 minutos de exercícios por semana e cerca de 20 a 30 minutos de atividade vigorosa", afirma Klaus Gebel, pesquisador sênior da Universidade James Cook, em Cairns, na Austrália, que liderou a segunda pesquisa. E, uma dose maior, para aqueles que quiserem, não prejudica a saúde, diz ele.

Antes de partir para a academia, a corrida ou qualquer outra atividade física, uma alimentação bem planejada pode fazer muita diferença no seu treino. "É importante que os alimentos consumidos forneçam energia para realizar a atividade, seja de intensidade baixa, média ou moderada. O ideal é consumir o lanche cerca de uma hora antes do treino", orienta a nutricionista funcional Isabel Jereissati, do Rio de Janeiro.

Também não vale engolir qualquer coisa só para forrar o estômago. "Tanto para exercícios de força como de resistência, a refeição deve ser rica em carboidrato, a principal fonte de energia para as células. Já a quantidade de proteínas, gorduras, fibras, vitaminas e minerais deve variar conforme a necessidade de cada pessoa", continua a especialista. Veja, a seguir, alguns exemplos de alimentos ideais para serem consumidos no pré-treino.

1 Beterraba
Essa raiz de cor roxa é uma ótima fonte de carboidratos, além de ser rica em nitrato, substância que potencializa a circulação e a oxigenação de tecidos. Ela pode ser consumida, inclusive, com as folhas, que também são ricas em nitrato. "Faça um suco e tome 40 minutos antes do treino", sugere Helton Finocchio, nutricionista esportivo da Clínica Andrea Santa Rosa, no Rio de Janeiro (RJ).

2 Batata-doce
Além dos carboidratos, também fornece vitaminas, como a A, e minerais, como o cálcio, que ajudam a formar massa muscular e a realizar a contração dos músculos. "Consuma uma batata cozida, com pasta de amendoim, ou em forma de purê. Se quiser, adicione um fio de mel", indica Isabel Jereissati.

3 Pão integral
Pães em geral são boas fontes de carboidratos. "Os integrais saem na frente, porque a energia que fornecem é absorvida aos poucos pelo corpo, e não em picos, como acontece com os brancos. Assim, previnem a hipoglicemia e prolongam a sensação de saciedade", diz a nutricionista Fúlvia Gomes Hazarabedian, coordenadora do programa Bio Nutri da academia Bio Ritmo (SP). A sugestão é fazer um sanduíche com uma fatia de peito de peru e uma de queijo branco.

4 Chá verde
A bebida é termogênica, isto é, acelera o metabolismo e ajuda a queimar calorias mais rápido. "Além disso, contém teanina e cafeína, duas substâncias que ajudam a manter o foco e a concentração no treino", explica Helton. Hipertensos não podem consumir sem orientação profissional. Para os demais, a indicação é beber uma xícara antes do treino.

5 Pimenta e açafrão
Quem treina depois do almoço ou do jantar pode usar essas especiarias para temperar os alimentos, pois eles têm compostos que diminuem o estresse oxidativo celular. Ou seja, reduz-se a chance de haver processos inflamatórios, que causam dores e lesões musculares, segundo Helton.

Página 4 de 4