17
Qui, Out

Queridos irmãos das Igrejas Evangélicas Livres no Brasil,

rio do sul 1Orem por Rio do Sul. Estamos com uma grande enchente aqui, talvez a pior da história, as previsões não são boas…

No templo da IEL Rio do Sul já estamos com 1,50 metros de água. Toda área central da cidade está vazia, bancos, mercados, comércio  etc… tudo foi retirado e a água continua subindo, pois chove muito aqui, além de uma das barragens da região já está com 1,70 metros acima da represa e a outra está enchendo muito rápido. A previsão da meteorologia é pra chover muito nesta semana, uma pausa e chuva de novo.

 
Como igreja, estamos ajudando famílias, retirando os pertences, tentando comprar alguma comida, pois a água subiu muito rápido e tiveram que sair na emergência. Na igreja, levamos tudo pro segundo andar (4,30mt) mas se vier o que estão falando pode chegar acima disso e vamos perder muita coisa. Muitas famílias fizeram isso também e podem estar diante de um grande prejuízo.

Orem por nós.
 
Johny Stutzer
IEL Rio do Sul/SC
 
 
 
iel_rio_do_sul_Enchente.jpgIgreja Evangélica Livre em Rio do Sul em 06 de junho de 2017
 
Assista a reportagem do Jornal Nacional de 05 de junho sobre a situação de Rio do Sul: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/06/chuvas-castigam-regioes-de-santa-catarina-e-rio-grande-do-sul.html

Prezados Pastores, Líderes e Membros das Igrejas Evangélicas Livres no Brasil,

 

Estamos passando momentos difíceis politicamente e socialmente no Brasil.

Como CIELB (Convenção das Igrejas Evangélicas Livres no Brasil) queremos nos unir a outras igrejas evangélicas brasileiras em oração pela nossa amada Pátria.

Para isto tomo a liberdade de convocar  todas as IEL’s a:

1)    Terem um tempo especial do culto para a oração pelo Brasil neste domingo, 27/05/2017.

2)    Hastear uma bandeira do Brasil dentro ou fora da igreja, lembrando a todos da necessidade que temos de orar pela nossa Pátria.

3)     Continuarmos este movimento de oração até 07 de setembro de 2017,

Como Igrejas Evangélicas Livres e como povo evangélico temos uma tarefa muito grande de tornar esta Nação feliz. 

Cabe-nos  anunciar o Evangelho da Salvação em Cristo, para que seja implantado o Senhorio de Deus no Brasil.

“Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, o povo que ele escolheu para sua herança.”

Salmo 33.12

 

 

Pr. Klaus G. Rempel

Presidente

CONVENÇÃO DAS IGREJAS EVANGÉLICAS LIVRES DO BRASIL

 

O projeto Filme Jesus, missão que trabalha com a evangelização usando audiovisual, anunciou que concluiu a tradução para o 1500º idioma. O filme mais assistido da história, de acordo com o Livro Guinness dos Recordes, agora está disponível para a língua Daasanach, falada por um grupo étnico que habita partes da Etiópia, do Quênia e do Sudão.

Desde 1979, ano do seu lançamento, o Filme Jesus já foi exibido 7,5 bilhões de vezes, em todos os países do mundo. Em algumas áreas remotas é o único filme disponível na língua local.

Produzido pela missão Cruzada Estudantil para Cristo, o material continua causando um poderoso impacto, em especial na vida daqueles que ouvem pela primeira vez sobre o evangelho de Jesus, sua morte e ressurreição.

A missão estima que foram mais de 490 milhões decisões de seguir a Cristo após a exibição do filme, que encerra com um “apelo” a conversão. Ao longo dos anos, milhares de ministérios e igrejas utilizaram o Filme Jesus e suas variações: “Madalena”, uma versão para mulheres e “A História de JESUS ​​para as crianças.

Além disso, existem estudos bíblicos especialmente preparados para quem assistiu o longa e, mais recentemente, um aplicativo onde a pessoa tem acesso a todo o material.

Josh Newell, diretor de Marketing e Comunicações do Jesus Film Project, comemora. A nova tradução é mais um passo para alcançar os 865 grupos linguísticos do mundo que não possuem nada do evangelho disponível. Reunidos, eles somam aproximadamente 323 milhões de pessoas. O objetivo da missão é oferecer a todas essas etnias a história de Jesus em sua língua até 2025.

“O Evangelho já chegou a todos os países modernos do mundo. Quando Jesus ordenou a seus seguidores que “fizessem discípulos de todas as nações” em Mateus 28: 18-20, ele não estava se referindo às nações que conhecemos. A maioria desses países nem existiam quando Jesus deu o comando “, explica Newell. “Na Grande Comissão, Jesus ordenou aos seus seguidores que fizessem discípulos de todos os grupos étnicos e ainda faltam muitos deles”, finaliza.

Maiores informações sobre o filme e como se envolver em projetos de oração pelo alcance missionário podem ser encontrados em www.jesusfilm.org 

O governo do Rio de Janeiro liberou o registro de identificação com fotos de pessoas trajando turbantes e véus, se o motivo for considerado a convicção religiosa.

O aval da Procuradoria Geral do Estado (PGE) do Rio de Janeiro foi emitido na última sexta-feira (3). Ficou definido que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) permitirá que cidadãos utilizem esses adereços, sem a necessidade de um documento que comprove a exigência religiosa.

A assessoria de imprensa da PGE-RJ informou ao UOL, que a decisão foi motivada por uma consulta do Detran-RJ, que requisitava que apenas religiosos pertencentes a alguma ordem ou igreja poderiam ter fotos desse tipo nos documentos. Era preciso apresentar uma comprovação de exigência eclesiástica para esse direito ser concedido.

Exigência não tinha legalidade
A PGE constatou que a exigência era inconstitucional e “afrontava a igualdade entre homens e mulheres”. A proibição ocorrerá apenas nas situações em que os acessórios cubram a face ou atrapalhem “o reconhecimento da fisionomia”, exemplo encontrado na burca utilizada por praticantes do islamismo.

Os casos que não são identificados conotação religiosa permanecem proibidos. Acessórios, como bonés, gorros ou chapéus estão impedidos. Cortes de cabelo e penteado não sofrem restrição, desde que eles não cubram o rosto, nem empeçam o reconhecimento da aparência.

A consulta do Detran à PGE se deu após o questionamento judicial de uma estudante que foi impedida, de utilizar turbante em sua foto para identidade, em 2016.

Mais Artigos...