20
Dom, Jan

Há um momento de esquina da vida, ligado à maturidade. Um momento em que questões de poder devem ser discernidas e equacionadas pelos discípulos de Jesus.
Proponho olhar para esse momento como uma estação da vida; e chamá-lo de “estação cordeiro”. Hoje em dia, ele começa a partir dos 60 anos, sob a marca da plenitude pessoal. É melhor explicar de onde me vêm esses pensamentos.


Ao ler, em Mateus 26.51-54, o relato da prisão de Jesus, vejo os últimos momentos de sua vida em carne; a estação final de sua missão. Nesse instante de profunda crise, surge uma espada, como proposta humana de solução; ou então mais de doze legiões de anjos, como alternativa divina. Entretanto, nenhuma delas será adotada, pois é necessário que a vontade de Deus se cumpra. E o Leão de Judá se fará Cordeiro.


O poder dará lugar à mansidão: a espada será, para sempre, embainhada, e a vontade do Pai, recebida sem atalhos. Só a sabedoria que esta estação traz é capaz de discernir vitória nessa escolha. Paradoxalmente, a expressão “eu venci o mundo” não é perceptível em sua realidade cósmica.


Esse momento da vida é a estação do poder. É quando nos dizem que vencemos; que estamos no auge do intelecto, do acúmulo financeiro; do poder de influenciar pessoas; temos amigos poderosos (e gente que sabe manusear espadas). Todavia, diante disso tudo, preferimos a mansidão. Virtude a se buscar no leão e não na ovelha, pois é de se admirar que aquele abra mão de suas garras, de sua ferocidade e da majestade de sua juba para fazer-se ovelha. Com efeito, não há virtude em ter nascido ovelha; mas é de se admirar que alguém, tendo chegado à condição de leão, escolha viver a estação cordeiro.


É quando nosso Senhor deseja mais o cumprimento das Escrituras do que resolver seu problema imediato; ele está mais interessado na vontade de seu Pai; e sabe que, para isso, precisa “apresentar-se como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus”. Eventualmente, há de ser considerado como “ovelha de matadouro”, para que a vontade de Deus se cumpra em sua vida.
A “estação cordeiro” é aquela em que percebemos que a lógica da espada (rugidos, garras, juba majestosa etc.) estabelece um modo de viver marcado pelo corte e pela morte. E não desejamos mais solucionar conflitos desse modo; queremos fazer-nos mansos; ninguém se afastará de nós por medo.


Resumo esses pensamentos com a “Fábula do Lobo, do Leão e do Cordeiro”.


Certo dia, numa clareira da floresta, à espreita de um cordeiro que bebia no riacho, encontraram-se o lobo e o leão.


O lobo olhou para o leão e viu que era um felino já maduro e sábio (aparentando 60 anos): seu rugido era poderoso; suas garras, imensas, e sua juba, majestosa. Sem dúvida, ali estava o rei dos animais.


E o lobo invejou o leão. Saudando-o com um beijo na face, perguntou:
— Como faço para conseguir esse rugido? — porque os lobos só sabem uivar.
— E essa majestosa juba? — porque os lobos não têm jubas.
O leão, então, olhou para o lobo e disse:
— Você está invejando o animal errado. Está vendo aquele cordeiro, na beira do rio? Daqui a alguns minutos ele estará morto. Mas, ainda assim, meu sonho é ser como ele.


Porque sabemos que, aos olhos do Criador, seremos tão mais leões quanto mais cordeiros nos fizermos.


::Rubem Amorese – Ultimato

Em Isaías 40 o profeta disserta sobre a soberania de Deus. Você já se perguntou “Qual o tamanho de Deus?”? Eu já e, honestamente, até sabia que Ele era grande, mas hoje descobri algo que mudou minha vida.
Eu e meu pai sempre costumamos andar no fim da tarde, inicio da noite, dando volta no nosso quarteirão. Comumente olhamos as estrelas, e meu pai ama “gabar” Deus por Sua imensa criatividade e grandeza. Meu pai é fã do Criador e nos ensinou a ser assim também. Cresci ouvindo meu pai falar apaixonadamente quão grande eram as galáxias, planetas… o universo. E um dia eu perguntei a ele: “Papai, qual o tamanho do universo?”. Ele me disse que não sabia, mas que sabia que ele tinha um limite porque Deus mede o universo com as mãos e infinitude é um atributo exclusivo de Deus.

Uaaau!!! Isso ficou como um sino na minha cabeça por anos. A questão é que nos nossos dias, simplesmente perdemos a visão da grandeza de Deus. Temos uma visão minúscula do Deus que servimos e, por isso, as pessoas que nos cercam também têm. Nossas renúncias parciais, nossa falta de reverência e criatividades desnecessárias tornam o relacionamento com Deus cada vez mais raso e sem busca real pelo o que Deus é.

E sabe de uma coisa? Hoje, depois de crescida, me toquei de que NÃO ENTENDEMOS A GRANDEZA DE DEUS, de fato. Deus é maior do que tudo que Ele mesmo criou, e, diariamente, tiramos os olhos do Criador e colocamos na criação. Ele tem as rédeas do universo, Ele convoca as estrelas, e nenhuma delas tem coragem de deixar de comparecer. Ele faz o sol nascer todos os dias, Ele fez as estações e deu sabedoria e inteligência ao homem para criar tudo que existe. Sim, Deus criou tudo, Ele que deu inteligencia ao homem para criar os celulares, os sanduíches, até mesmo os carros, aviões… tudo!

Me pergunto: Por que nos desesperamos tanto? Será que não sabemos que DEUS PODE TODAS AS COISAS e, com uma ordem dEle, tudo pode mudar? Por que temos que nos agoniar de forma desesperadora pensando com quem iremos nos casar, o que iremos ser, como seremos curados ou etc? Será que você não sabe que Deus tem tudo pronto? (Sl 139.16)

Que quando nossos amigos olharem para nós, digam “UAAAAAU, que DEUS GRANDE, também quero servir a esse DEUS!!!”.
Vivamos nossas vidas de forma que olhem para nós e vejam que Deus é grande e muito mais valioso que tudo que nos cerca. Mais valioso que nossa casa, nossos bens, nossos negócios, mais valioso que nossos filhos, nossa vida. Mais valioso que tudo!

Você quer descobrir e sentir o quão grande é o nosso Deus?
Uma vez, um garotinho perguntou a seu pai: “Pai, qual é o tamanho de Deus?”. O pai, assustado com a pergunta e temendo não dar uma resposta plausível, ficou calado por uns minutos. De repente, passou um avião acima deles e o pai disse: “Deus é do tamanho desse avião”. O garotinho logo disse: “Então Deus é muito pequeno, papai”. O pai colocou o garotinho no carro e o levou a um aeroporto.

Descendo no pátio dos aviões, ele colocou o menino ao lado de uma aeronave estacionada e disse: “Deus é do tamanho desse avião”. E o menino disse: “Uau, papai, Deus é MUITO GRANDE!”.

Moral da historia: você só pode saber a gradeza de DEUS quando se aproximar dEle. Como está seu relacionamento com Deus? Temos feito nossos devocionais por amor ou por obrigação? Você é amigo de DEUS?

Dica de hoje: Deus é grandeeeee, e Ele te ama de tal maneira que roteiro “hollywodiano” nenhum poderia decifrar!
Entregue ao Senhor o que aflige você hoje e deixe ELE SER DEUS na sua vida.

Todo ser humano passa por várias aventuras durante sua vida. Sejam elas mais radicais ou não. São várias as histórias que contamos sobre as experiências que vivemos, sejam com um amigo (a), primos ou sozinhos.


Foto: InternetDentre todas essas histórias que adquirimos ao longo da vida, existe uma fase que posso dizer que realmente vivemos “altas aventuras”, e essa é a adolescência. Não conheço nenhum outro momento na vida em que as pessoas tenham tanta coragem, ousadia e impulsividade. É nessa fase que registramos várias histórias engraçadas, sérias ou até perigosas. Faz parte desse período da vida viver essas experiências, que levamos para o resto de nossas vidas.
Assim como nessas histórias que registramos, todo adolescente precisa viver também “altas aventuras com Deus”. A Bíblia nos conta a história de um jovem que teve um momento marcante com Deus, ele se chamava Samuel. No livro de I Samuel 3, os versos de 1 a 21 relatam que esse adolescente de, provavelmente, 12 anos teve uma profunda experiência com Deus, que o marcou para o resto de sua vida.

O relato bíblico diz que Samuel já conhecia muitas coisas do templo, servia ao sacerdote Eli e dormia ao lado da arca de Deus. Ele tinha sido consagrado a Deus por sua mãe, Ana. Mas, apesar de tudo isso, Samuel nunca tinha ouvido a voz de Deus. Ele precisava ter a experiência de ouvir a voz de Deus, para que isso se tornasse uma marca em sua vida e, posteriormente, viesse a ser algo comum em sua vida.
Assim como Samuel, todo adolescente necessita passar por essas aventuras que lhe trarão marcas e lembranças para o resto de suas vidas. Pois assim como é comum vivermos altas aventuras em todas as áreas de nossa vida, com Deus não é diferente.

Além disso, acredito que seja importante eles terem experiências pessoais, pois elas se tornam histórias de fé, que levamos para toda nossa vida. Isso é essencial, principalmente para aqueles que frequentam a igreja desde criança, pois precisam desvincular a fé dos pais e familiares da sua fé.

Portanto, busque viver altas aventuras com Deus, e você perceberá o quanto é bom. E, com isso, você sentirá a necessidade de ter mais comunhão e intimidade com Ele.

Fonte: nopapocabeca.com

Página 2 de 2
Cadastre o seu e-mail para receber informações e novidades sobre o nosso portal.